jueves, 18 de abril de 2019

No lo conocimos: FNM Onca

 

Fotos Quatro Rodas

En la Revista Parabrisas de este mes Gustavo Piersanti cuenta con lujo de detalles la historia de la Fábrica Nacional de Motores de Brasil. Gracias a esa nota conoci al FNM Onca, una curiosa creación inspirada en el Ford Mustang pero con trompa Alfa Romeo. Una verdadera curiosidad. La rica historia de FNM y del Onca en la Revista Parabrisas de este mes. No se la pierdan

3 comentarios:

  1. Si me lo cuentan no me lo creo....

    ResponderEliminar
  2. A FNM tem uma história das mais interessantes: nasceu para ser fabricante de motores aeronáuticos (as instalações foram projetadas para escapar de bombardeios e contavam até com ar-condicionado), mas, no final da 2ª Guerra, a necessidade de motores Curtiss-Wright simplesmente sumiu e a FNM experimentou um período de ociosidade.

    Resolveram, depois de alguns tropeços, fabricar caminhões: em 1949 montaram uns 200 Isotta Fraschini D.80 (aqui chamados FNM 7300), do qual não sobrou nenhum exemplar. É que a IF faliu e a FNM foi buscar apoio na Alfa Romeo: já em 1952 começou a produção do bem sucedido FNM D-9500, caminhão não muito rápido, mas extremamente robusto e confiável.

    Em 1960, a FNM, uma empresa estatal, resolveu produzir um automóvel de luxo: aproveitaram o Alfa Romeo 2000 e, no dia da inauguração de Brasília (que foi construída do zero para ser a nova capital brasileira, num custo astronômico), lançaram o FNM JK 2000. Notem que "JK" eram as iniciais de Juscelino Kubitschek, então presidente do Brasil...

    Mas foi na base deste FNM JK 2000 (que, após o golpe militar de 1964, "perdeu" o prefixo JK e passou a se chamar apenas FNM 2000) que a fábrica criou o Onça: uma plataforma foi encurtada e o desenho foi confiado nas hábeis mãos de Rino Malzoni (que se inspirou muito no Mustang). Apresentado no Salão do Automóvel de 1966, tinha motor de 115cv e carroceria moldada em fibra de vidro reforçada com plástico. Andava bem para o Brasil de 1966, mas só vendeu oito unidades, infelizmente...

    A história da FNM é impressionante, como vocês podem notar.

    ResponderEliminar